Mensagens com propostas –falsas – tentadoras de emprego em grandes empresas estão sendo enviadas por meio de SMS, WhatsApp e outros programas de mensagens instantâneas. Veja qual o propósito dos golpistas e o que eles ganham com a investida. 

Por Renata Baptista, g1


“Parabéns, você foi selecionado para um trabalho de meio período online” ou "Candidate-se a um trabalho de meio período em casa".

Frases assim, seguidas por uma proposta financeira atraente, têm circulado em mensagens recebidas por pessoas em todo país por meio de SMS, WhatsApp e outros programas de mensagens instantâneas.


Diante dos convites, algumas vezes "assinados" por grandes empresas, muitos se veem tentados a clicar no link da mensagem para saber um pouco mais sobre a proposta. Destes, outros tantos só vão se dar conta que se trata de um golpe após terem algum prejuízo com a operação.


No que consiste o trabalho ofertado?


De acordo com a companhia de segurança digital Kaspersky, a mensagem com a oferta de emprego inclui um link para iniciar uma conversa através de um chat legítimo, que funciona como qualquer outro canal de contato com um restaurante, empresa ou serviço, por exemplo.


“A coisa mais arriscada sobre essa fraude é que ela se baseia em táticas de engenharia social projetadas para ganhar a confiança de potenciais vítimas, e as pessoas entrarão em contato com um suposto empregador que irá 'recrutá-las' e podem até gerar algum dinheiro, dando-lhes uma falsa percepção de autenticidade e depois roubando uma quantia muito maior delas”, explica Fabio Assolini, diretor da Equipe de Análise e Pesquisa para a América Latina da companhia de segurança digital Kaspersky.

Assolini diz que quem lista pessoas na plataforma também ganha algo, criando um sistema de afiliados, o que aumenta o alcance do golpe e também o torna um sistema de fraude parecido com o de uma pirâmide.


Após ser registrada, a pessoa será solicitada a realizar uma série de tarefas e atividades simples por um tempo. Ela pode até mesmo ser solicitada a fazer pequenas contribuições que serão devolvidas com comissão. Isso ocorre para que a vítima ganhe mais confiança.


“Sempre será um valor baixo, pode ser 1 ou 5 dólares, um valor que as pessoas não têm medo de perder, pois eles prometem que, após feita essa contribuição, eles irão devolver esse valor e mais uma comissão. O truque é que você realmente recebe a primeira contribuição e a comissão pode até dobrar o valor enviado; isso, naturalmente, cria uma falsa percepção de autenticidade”, explica Assolini.


Outro ponto que os especialistas da Kaspersky detectaram é o uso da gamificação, ou seja, atividades muito simples na forma de jogos que motivam a participação e o comprometimento dos usuários. As pessoas começarão a receber tarefas diárias como, por exemplo, a simulação de uma compra com a classificação cinco estrelas de um produto, para receber o dinheiro contribuído e uma comissão de devolução. 


Essas estratégias dão veracidade para os esquemas pois, com as compras fantasmas e falsas classificações, plataformas de e-commerce são cobradas, podendo ser legítimas ou não, em serviços que prometem melhorar a classificação de seus produtos e beneficiar o grau de qualidade, de forma enganosa.


Para dar o golpe final, uma vez que a confiança do usuário é adquirida, os enganados são solicitados por contribuições maiores, com tarefas mais difíceis para obter tempo e aumentar o número de recrutas. A qualquer momento, quando a plataforma receber uma quantidade muito maior ou um certo número de registros, ela fecha e as pessoas perdem todo o dinheiro contribuído, sem uma maneira direta de entrar em contato com os fraudadores, que desaparecem.


Além do dinheiro perdido, informações pessoais confidenciais também podem ser comprometidas, em muitos casos.


O que dizem as empresas citadas

Uma das empresas que são utilizadas pelos golpistas é o Mercado Livre, que informou ao g1 que não divulga oportunidades de trabalho por SMS, WhatsApp ou quaisquer outros serviços de mensagens instantâneas.